«

»

Abr 03

Na morte do Professor Ilídio do Amaral

No passado dia 24 de Março faleceu, em Lisboa, aos 90 anos de idade, o Professor Ilídio de Melo Peres do Amaral, distinto investigador do Centro de Estudos Geográficos e professor do antigo departamento de Geografia da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, que exerceu cargos de grande relevância e responsabilidade na academia, destacando-se o exercício da função de reitor da Universidade de Lisboa, entre 1977 e 1979, – o único Professor Catedrático de origem africana alguma vez a assumir o cargo de Reitor em Portugal – e como último Presidente do Instituto de Alta Cultura, entre 1975 e 1976.

Nascido a 3 de Setembro de 1926, em Angola, Ilídio do Amaral era licenciado e doutorado em Geografia pela Universidade de Lisboa, e foi ainda Fundador e Diretor do Centro de Geografia do Instituto de Investigação Científica Tropical.

Num comunicado quando do seu falecimento, a Universidade de Lisboa salientou que, “Ao longo da sua carreira, evocamos a figura insigne do professor Ilídio do Amaral e o contributo que deu à geografia. A sua obra científica sobre as regiões tropicais e especialmente sobre o território dos países africanos de língua portuguesa é amplamente reconhecida pela academia nacional e internacional”.

“A dissertação de doutoramento sobre Santiago de Cabo Verde (1964) foi amplamente estudada em diversos países e contribuiu significativamente para o prestígio nacional e internacional da geografia portuguesa e do geógrafo Ilídio do Amaral”, referiu a instituição, que recorda que Ilídio do Amaral foi ainda Fundador e Diretor da revista Finisterra – Revista Portuguesa de Geografia.

O comunicado da Universidade de Lisboa homenageia-o, reiterando “o reconhecimento de uma Vida dedicada à Academia e à Investigação científica com um mérito amplamente reconhecido no meio académico até ao último dia da sua Vida, mesmo depois de volvidos quase duas décadas do seu jubilamento universitário!”

O Professor Ilídio do Amaral, que pertencia ao Conselho Científico da Fundação TR-Ukuma, foi professor de Troufa Real, tendo mais tarde dado aulas no Primeiro Curso de Arquitetura Tropical criado pelo seu antigo aluno, e fez depois parte do Júri das suas Provas de Agregação.

Para o Professor Troufa Real, além de grande amigo, Ilídio do Amaral foi um dos melhores professores que teve, pelo que o seu desaparecimento foi um grande golpe na sua vida.

Nesta hora triste, o Professor Troufa Real apresenta sentidas condolências à família enlutada, reiterando a mais sincera homenagem à grande figura de Geógrafo e docente que soube sempre por Angola à frente, orgulhando-se das suas origens e circunstâncias.

 

Rodrigues Vaz
Jornalista
2017.04.03